"A Democracia e o fortalecimento do Estado de Direito são pilares fundamentais da integração regional".

Refugiados, migrações, bicicletas: "poder ir aonde quiser, sem depender de outros".




Brasil sobre duas rodas - Bicicletas Poder ir aonde quiser, sem depender de outros.

É isso que a bicicleta representa para o venezuelano Wilson José Alemán e o colombiano Ricardo Mareno Montoya na qual percorreram mais de 20 mil quilômetros de Boa Vista até Brasília. Levando consigo poucos pertences, os viajantes hoje residem na capital do país e fazem artesanato e teatro nas ruas. Esse vídeo foi produzido coletivamente pelos participantes da Oficina de Storytelling e Realização de Vídeo para Migrantes e

Refugiados que aconteceu em Brasília entre 12 e 14 de setembro de 2019. Durante as aulas foram usadas ferramentas do storytelling, que é arte de contar histórias usando técnicas inspiradas no trabalho de escritores e roteiristas, assim como da educomunicação e do cinema. A capacitação partiu da análise da biografia de cada um como fonte infinita de histórias que podem ser acessíveis a todo mundo. A oficina faz parte da campanha

Feitos de Coragem – o Mundo é Movimento, idealizada pela Jarina Filmes e pela Fundación Avina, e conta como apoio da OIM - ONU Migração e Jesuítas Brasil.

Fonte: OIM Brasil - Agência das Nações Unidas para as Migrações. out/2020

Misión Ushuaia entregará 200 cartas a Bachelet de refugiados venezolanos en Brasil.

Miembros de la Misión Ushuaia dirigirán 200 cartas a la alta comisionada de las Naciones Unidas para los Derechos Humanos, Michelle Bachelet, que serán redactadas por refugiados venezolanos que viven en Pacaraima y Boa Vista en Brasil. (LEA MAS)

Fonte: EL PITAZO set/2020

Refugiados venezolanos: doscientas cartas al Consejo de Derechos Humanos de las Naciones Unidas.

Miembros de la Misión Ushuaia, Venezuela, presentaron una carta en la sede del Alto Comisionado de las Naciones Unidas para los Derechos Humanos (OACNUDH), en Ginebra - Suiza, el 25 de septiembre de 2020.

En la carta dirigida a la atención de la señora Michelle Bachelet (Alta Comisionada de las Naciones Unidas para los Derechos Humanos), los miembros de la Misión Ushuaia expresan su intención de entregar a la oficina del (OACNUDH), en la pospandémica, doscientas cartas escritas por refugiados venezolanos que viven en Pacaraima y Boa Vista en Estado de Roraima, puerta de entrada para la diáspora venezolana en Brasil.

En la pospandémica, cuando sea seguro, obedeciendo las normas de seguridad sanitaria, pretendemos recoger cerca de doscientas cartas dirigidas a miembros de la OACNUDH, cartas escritas por refugiados venezolanos en las calles, residentes en Boa Vista y Pacaraima, puerta de entrada. de la diáspora venezolana en territorio brasileño, ciudad ubicada en la (frontera terrestre Brasil-Venezuela).

Deseamos entregar las doscientas cartas escritas por refugiados venezolanos en la sede del ACNUDH en Ginebra / Suiza, a los miembros de la Alta Comisión y su directorio.


En 2019 la Misión Ushuaia fue declarada (39/2019) de interés cultural y humanitario por PARLASUL (Parlamento del MERCOSUR).

Carta en español (Consejo de Derechos Humanos de las Naciones Unidas)

 Carta em português (Conselho de Direitos Humanos da ONU) 

MissaoUshuaia.org set/2020 

Refugiados venezuelanos: duzentas cartas para o Conselho de Direitos Humanos da ONU.


Os integrantes da Missão Ushuaia, Venezuela, protocolaram uma carta na sede do Alto Comissariado das NaçõesUnidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), em Genebra - Suíça, em 25 de setembro de 2020.

Na carta endereçada aos cuidados da senhora Michelle Bachelet (Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos) os integrantes da Missão Ushuaia, manifestam a intenção de entregar na sede do (ACNUDH), na pós-pandemia, duzentas cartas escritas por refugiados venezuelanos que vivem em Pacaraima e Boa Vista no estado de Roraima, porta de entrada da diáspora venezuelana no Brasil.

Na pós-pandemia, quando for seguro, obedecendo às regras de segurança sanitárias, pretendemos recolher cerca de duzentas cartas endereçadas aos membros do ACNUDH, cartas escritas por refugiados venezuelanos em situação de rua, que vivem em Boa vista e, Pacaraima, porta de entrada da diáspora venezuelana em território brasileiro, cidade localizada na (fronteira terrestre Brasil-Venezuela).

Desejamos entregar as duzentas cartas escritas pelos refugiados venezuelanos na sede do ACNUDH, em Genebra/Suíça, aos membros do Alto Comissariado e sua diretoria.

Em 2019 a Missão Ushuaia foi declarada (39/2019) de interesse cultural e humanitário pelo PARLASUL (Parlamento do MERCOSUL).

Carta em português (Conselho de Direitos Humanos ONU)

Carta en español (Consejo de Derechos Humanos de las Naciones Unidas)

MissaoUshuia.org  set/2020

Declaração do Grupo de Lima

 

Os Governos de Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela, membros do Grupo de Lima, comprometidos a apoiar o processo de transição democrática na Venezuela:

1. Renovam sua unidade e firme compromisso em favor do Presidente Encarregado Juan Guaidó, da transição democrática, e da reconstrução institucional, econômica e social na Venezuela, país que vive uma crise multidimensional sem precedentes, que tem gerado o sofrimento crescente do povo venezuelano e que se agravou em função da pandemia de COVID-19.

2. Rechaçam as manobras do regime ilegítimo de Nicolás Maduro que atentam contra o exercício dos mais elementares direitos civis e políticos, evidentes na captura de instituições essenciais para o restabelecimento da democracia, como o Conselho Nacional Eleitoral e o Tribunal Supremo de Justiça, e no desmantelamento de partidos políticos não alinhados com a ditadura.

3. Expressam o seu firme repúdio ao anúncio do regime ilegítimo de realizar eleições parlamentares sem as garantias mínimas e sem a participação de todas as forças políticas.

4. Reiteram sua condenação às violações sistemáticas dos direitos humanos perpetradas pelo regime ilegítimo de Nicolás Maduro, documentadas na última atualização do relatório apresentado pela Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, em julho passado, e instam o Conselho de Direitos Humanos da ONU a renovar a Missão Internacional Independente de Verificação de Fatos sobre a República Bolivariana da Venezuela.

5. Apóiam a “Declaração Conjunta de Apoio à Transição Democrática na Venezuela”, publicada na data de hoje, pela qual 31 países, incluindo a maioria dos membros do Grupo de Lima, fazem um chamamento a todos os venezuelanos, suas instituições e partidos políticos para que coloquem os interesses da Venezuela acima da política e comprometam-se, urgentemente, a apoiar processo estabelecido e promovido por eles mesmos a fim de estabelecer um governo de transição inclusivo, que leve o país a eleições presidenciais livres e justas no menor prazo possível, como o caminho mais eficaz e sustentável para a estabilidade, recuperação e prosperidade da Venezuela.

14 de agosto de 2020

Fonte: Itamaraty

"Missão Ushuaia: em busca de esperança para um país em convulsão social"


Autoritarismo, opressão, fome, violação de direitos humanos, violência e abusos da polícia, prisões arbitrárias realizadas pelo sistema de inteligência e segurança. Tudo isso está em um relatório do Escritório da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, após viagem de Michelle Bachelet à Venezuela no ano passado.

Em 2013, após a morte do presidente Hugo Chávez, Nicolás Maduro assumiu o governo da Venezuela. A crise econômica se alastrou pelo país, com um governo acusado de caçar opositores do regime. Em 2016, foram retirados os poderes da Assembleia Nacional. Ou seja, não há poder legislativo na Venezuela.

Em janeiro de 2019, o ex-deputado Juan Guaídó se autoproclamou presidente interino do país, ato que foi reconhecido pelo Brasil, Estados Unidos, países da União Europeia e pertencentes do Grupo de Lima, e grande parte das nações latino-americanos e a Organização dos Estados Americanos (OEA).

Pela democracia e de cidadania do povo venezuelano, Dado Galvão, estudante de Bacharelado em Teologia Católica na Uninter, iniciou em 2015 a Missão Ushuaia, Venezuela. O objetivo era realizar ações culturais e humanitárias em defesa dos refugiados venezuelanos e pelo retorno da democracia na Venezuela.

Dado Galvão é documentarista e está realizando a produção de um material audiovisual da realidade da Venezuela, ainda sem data para lançamento. Também fazem parte da missão o fotógrafo brasileiro Arlen Cézar, o jornalista e escritor Carlos Javier Arencibia Castro. E ainda, o refugiado venezuelano Dubenson Eduardo Manzanilla, que vive em Boa Vista, capital de Roraima. (LEIA MAIS AQUI) 

junho/20 

Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado brasileiro.

No exercício da cidadania MERCOSUL, perguntamos ao Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, na audiência pública realizada (5/3) pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal. 

1- Como está sendo tratada pelo Brasil no âmbito do MERCOSUL a diáspora de refugiados venezuelanos? 

2- O presidente Guaidó também é reconhecido pelo bloco?


março/2020

2020, Roraima: Ações culturais e humanitárias da Missão Ushuaia.


Cerca de 47 famílias de refugiados venezuelanos que vivem no prédio de antigo Boa Vista Shopping, recebem nesta quarta-feira, 29, uma ação cultural e humanitária promovida pela Missão Ushuaia. 

Os imigrantes irão escrever cartas para os deputados federais que integram a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados (CREDN).

Os refugiados também deixarão mensagem na bandeira-assinada do Brasil, a mesma que foi trazida da Venezuela, com uma mensagem escrita por Juan Guaidó.

O documentarista Dado Galvão, idealizador da missão, busca apoio de parlamentares membros da CREDN, para que seja apresentado requerimento na comissão, propondo a realização de audiência pública, onde os membros da missão pretendem entregar a bandeira-assinada do Brasil e mais de duzentas cartas escritas por refugiados venezuelanos que vivem em Boa Vista e Pacaraima, em situação de rua.

Em julho de 2019, a Missão Ushuaia - Venezuela foi reconhecida pelo Parlamento do MERCOSUL, como de interesse cultural e humanitário.


2020, Roraima: Missão Ushuaia realizará ações culturais e humanitárias no (antigo Boa Vista Shopping)


Acreditando no exercício da cidadania MERCOSUL, a Missão Ushuaia, realizará no dia (29 de janeiro, quarta-feira, 10 da manhã, no antigo Boa Vista Shopping), em Boa Vista, Roraima, mais uma ação cultural e humanitária. Cerca de (47), quarenta e sete famílias de refugiados venezuelanos que vivem no antigo shopping, irão escrever cartas para os deputados federais que integram a CREDN (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados).


O documentarista Dado Galvão, idealizador da missão, busca apoio de parlamentares membros da CREDN, para que seja apresentado requerimento na comissão, propondo a realização de audiência pública, onde os membros da missão pretendem entregar a bandeira-assinada do Brasil e mais de duzentas cartas escritas por refugiados venezuelanos que vivem em Boa Vista e Pacaraima, em situação de rua.


Ações em Roraima, estão sendo organizadas pelo refugiado venezuelano e membro da missão Dubenson Eduardo Manzanilla, WhatsApp +55 95 99902 - 9034.

 AÇÕES EM RORAIMA 2019 


jan/20

Declaração do Grupo de Lima - Declaración del Grupo de Lima

Juan Guaidó intenta llegar a la Asamblea Nacional de Venezuela


Declaração do Grupo de Lima

Os governos da Bolívia, do Brasil, do Canadá, do Chile, da Colômbia, da Costa Rica, da Guatemala, da Guiana, de Honduras, do Panamá, do Paraguai, do Peru, de Santa Lúcia e da Venezuela, países do Grupo de Lima, condenam o uso da força pelo regime ditatorial de Nicolás Maduro para impedir que os deputados da Assembleia Nacional possam ingressar livremente na sessão, convocada para hoje, 5 de janeiro, para eleger democraticamente a sua Mesa Diretora.

A Assembleia Nacional tem o direito constitucional de reunir-se sem intimidações nem interferências para eleger o seu Presidente e Mesa Diretora, em razão do que não reconhecemos o resultado de eleição que não respeita esses direitos e que se deu sem a plena participação dos deputados que desejavam participar da sessão.

O Grupo de Lima acompanha com extrema preocupação os eventos na Venezuela e faz um apelo à comunidade internacional para trabalhar de maneira conjunta em apoio à recuperação da democracia e ao restabelecimento do estado de direito nesse país.

5 de janeiro de 2020

Declaración del Grupo de Lima

Los gobiernos de Bolivia, Brasil, Canadá, Chile, Colombia, Costa Rica, Guatemala, Guyana, Honduras, Panamá, Paraguay, Perú, Santa Lucía y Venezuela, países del Grupo de Lima, condenan el uso de la fuerza por el régimen dictatorial de Nicolás Maduro para impedir que los diputados de la Asamblea Nacional puedan acceder libremente a la sesión, convocada para hoy 5 de enero, para elegir democráticamente a su Mesa Directiva.

La Asamblea Nacional tiene el derecho constitucional de reunirse sin intimidaciones ni interferencias para elegir a su Presidente y directiva, por lo que desconocemos el resultado de una elección que vulnera esos derechos y que se ha dado sin la plena participación de los diputados que acudieron a la sesión.

El Grupo de Lima sigue con extrema preocupación los eventos que se suceden en Venezuela y hace un llamado a la comunidad internacional para trabajar de manera conjunta en apoyo a la recuperación de la democracia y el restablecimiento del Estado de derecho en ese país.

5 de enero de 2020

Fonte: Itamaraty

Encuentro internacional de parlamentarios para la democracia en Venezuela.

Periodista venezolano Carlos Javier (miembro de la Misión Ushuaia) en Caracas y el parlamentario argentino en Parlasur, Humbero Benedetto, autor de la declaración de reconocimiento de la Misión Ushuaia de Interés Cultural y Humanitario para Parlasul.

"La crisis venezolana es un problema continental, por lo que es imprescindible la unión de todos quiénes nos regimos por principios democráticos. Agradezco al diputado argentino en Parlasur, Humberto Benedetto su solidaridad con nuestra causa y con la Misión Ushuaia Venezuela, pues para que haya respeto a los DDHH es preciso un cambio político. Seguimos trabajando en todos los escenarios por la Libertad de Venezuela". Javier. 



novembro/2019

Misión Ushuaia.


La voz que llegará a la Cámara de Diputados de Brasil para contar la realidad de la crisis venezolana será la de sus propias víctimas gracias a la iniciativa de integrantes de la Misión Humanitaria Ushuaia que entregará 200 cartas de inmigrantes donde exponen cada una de las experiencias que los obligó a abandonar su tierra. (MIRA)

outubro/2019

Missão Ushuaia: refugiados venezuelanos em Roraima, Cidadania MERCOSUL através de cartas.

O refugiado venezuelano Carlos Hernandes, escreve uma carta nos arredores da Rodoviária de Boa Vista/Roraima, que será entregue pela Missão Ushuaia, em audiência pública aos deputados membros da CREDN (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara do Deputados)

Acreditando no exercício da cidadania MERCOSUL, veja na reportagem da BAND/Roraima, como foi mais uma ação humanitária e cultural da Missão Ushuaia, Venezuela, realizada segunda-feira (14/10/19), nos arredores da Rodoviária de Boa Vista/Roraima.



O documentarista Dado Galvão, busca sensibilizar parlamentares membros da CREDN (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados), para que seja apresentado um requerimento na comissão para realização de audiência pública, com os membros da missão, Arlen Cezar (fotógrafo e ativista dos direitos humanos, residente na Paraíba), Carlos Javier (jornalista e escritor venezuelano), Dubenson Eduardo Manzanilla (refugiado venezuelano residente em Roraima e membro da missão), Dado Galvão (documentarista, idealizador da missão).

Em julho de 2019, Missão Ushuaia, Venezuela foi reconhecida pelo PARLASUL (Parlamento do Mercosul), como de interesse cultural e humanitário, proposta de declaração (39/2019) do parlamentar argentino Humberto Benedetto, aprovada em plenário por unanimidade .

outubro/2019 www.MissaoUshuaia.org

Roraima: Missão Ushuaia incentiva que refugiados venezuelanos escrevam cartas para deputados federais membros da CREDN.

Na Rodoviária Internacional de Boa Vista/Roraima, refugiado venezuelano participa de ações culturais e humanitárias da Missão Ushuaia, ao fundo bandeira do Brasil, com assinatura e mensagem do presidente encarregado da Venezuela Juan Guaidó, para os refugiados venezuelanos que vivem no Brasil. 

Acreditando no exercício da cidadania Mercosul, a Missão Ushuaia, iniciou o recolhimento de cartas junto aos refugiados venezuelanos que vivem em Roraima em situação de rua. Os membros da missão pretendem entregar em audiência pública na (CREDN - Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados), mais de duzentas cartas, escritas por refugiados venezuelanos para os deputados federais membros da CREDN.

O documentarista Dado Galvão, busca sensibilizar parlamentares membros da CREDN, para que seja apresentado um requerimento na comissão para realização de audiência pública, com os membros da missão, Arlen Cezar (fotógrafo e ativista dos direitos humanos, residente na Paraíba), Carlos Javier (jornalista e escritor venezuelano), Dubenson Eduardo Manzanilla (refugiado venezuelano residente em Roraima e membro da missão), Dado Galvão (documentarista, idealizador da missão). 

Em julho de 2019, Missão Ushuaia, Venezuela foi reconhecida pelo Parlasul (Parlamento do Mercosul), como de interesse cultural e humanitário, proposta de declaração (39/2019) do parlamentar argentino Humberto Benedetto, aprovada em plenário por unanimidade




setembro/2019

Missão Ushuaia: atividades no Colégio Dom de Jequié - Bahia.



Atendendo ao pedido da professora Karla Daniella Carvalho, no exercício da cidadania do Mercosul, estivemos dialogando com estudantes do (Colégio Dom) de Jequié(Bahia), sobre os refugiados oriundos da Venezuela e as atividade culturais e humanitárias da Missão Ushuaia, Venezuela. Os refugiados venezuelanos Pedro Salcedo, Norelys Figueroa e Victória Maria, acolhidos em Jequié/BA, pela Primeira Igreja Batista do Jequiézinho, estiveram presentes.



setembro/2019

Missão Ushuaia: atividades no Colégio Social de Jequié - Bahia.



Estivemos no Colégio Social de Jequié (BA), para partilhar (no exercício da cidadania MERCOSUL), com estudantes e professores, os objetivos da Missão Ushuaia, Venezuela e suas ações culturais e humanitárias em defesa dos refugiados venezuelanos e do restabelecimento da democracia na Venezuela.

Os refugiados venezuelanos acolhidos em Jequié, pela Igreja Batista do Jequiézinho, Pedro Salcledo e Gabriel Salcedo, também partilharam suas experiências na condição de refugiados.

Agradecemos aos professores Lucas Nascimento, Paula Moitinho, Antônio Marcelo e ao Colégio Social de Jequié, pela acolhida e temática abordada.




setembro/2019

Missão Ushuaia: atividades no Rotary Clube Jequié Cidade Sol

Na terça-feira (27/8), o Rotary Clube Jequié Cidade Sol, presidido por Wilma Stock, recebeu o documentarista jequieense Dado Galvão, idealizador da missão cultural e humanitária Ushuaia, que acompanha desde 2015, a situação político-social da Venezuela.

Galvão partilhou com os rotarianos sua trajetória como ativista e documentarista, relembrando produções passadas, Conexão Cuba-Honduras, Missão Bolívia, que segundo o realizador, são produções que ajudam a entender o que acontece atualmente na Venezuela. O documentarista falou da recente viagem que fez, disfarçado de padre para o país bolivariano e da situação de miséria vivida por refugiados venezuelanos que vivem nas ruas das cidades de Boa Vista e Pacaraima no estado de Roraima. 

Missão Ushuaia, é formada pelos brasileiros Dado Galvão (documentarista), pelo paraibano Arlen Cezar (ativista e fotógrafo) e pelos venezuelanos Carlos Javier Arencibia (jornalista e escritor), Dubenson Eduardo Manzanilla (refugiado venezuelano que vive em Boa Vista/RR). Em julho de 2019, por unanimidade o plenário do PARLASUL (Parlamento do MERCOSUL), reconheceu Missão Ushuaia de interesse cultural e humanitário, declaração proposta pelo parlamentar argentino Humberto Benedetto.

Missão Ushuaia, ações culturais e humanitárias em Roraima.

Kit Missão Ushuaia, para documentar testemunhos de refugiados venezuelanos em situação de rua nas cidades de Boa Vista e Pacaraima. Envelopes, canetas, folha de papel para cartas e a bandeira assinada do Brasil.


Foi enviado hoje (13/8), para Boa Vista, capital do estado de Roraima, aos cuidados do refugiado venezuelano e membro da Missão Ushuaia, Dubenson Eduardo Manzanilla, um kit contendo envelopes, canetas, folhas de papel para carta e a bandeira assinada do Brasil, que contém assinatura e mensagem do presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, para os refugiados venezuelanos que estão em território brasileiro.

O conteúdo do kit será utilizado por Dubenson, para mais uma ação cultural e humanitária da Missão Ushuaia, em Boa Vista e Pacaraima. Refugiados venezuelanos que estão em situação de rua, terão a oportunidade de deixar mensagem na bandeira assinada do Brasil e escrever cartas com seus testemunhos de migração, para os parlamentares membros da CREDN (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados).

Os membros da Missão Ushuaia, pretendem entregar as cartas escritas pelos refugiados venezuelanos e a bandeira assinada do Brasil, em audiência pública na CREDN, que está sendo articulada pelo deputado federal do estado da Bahia, Leur Lomanto (DEM/BA). 

Interessados em participar das atividades em Roraima, poderão fazer contato com Dubenson, pelo WhatsApp +55 95 99902 - 9034. 

Jequié/Bahia, agosto de 2019.

Missão Ushuaia é declarada de interesse cultural e humanitário pelo Parlasul.


Missão Ushuaia, foi idealizada em 2015, pelo documentarista brasileiro Dado Galvão, tendo como membros o jornalista venezuelano Carlos Javier, o fotógrafo paraibano e ativista de direitos humanos Arlen Cezar e, atualmente o refugiado venezuelano Dubenson Eduardo Manzanilla, que vive em Boa Vista Roraima. (Visualize declaração em PDF)

agosto de 2019

Boa Vista - Roraima: indígenas venezuelanos baleados pela Guarda Nacional Bolivariana aguardam por cirurgias há 6 meses.


No Hospital (18/7) das Clínicas Wilson Franco, em Boa Vista/Roraima, onde dois indígenas venezuelanos Pemones Taurepan de nomes Alberto Delgado, Evencio Sosa, e três não indígenas, Jaiver Pino, Emil Barreto, Carlos Faria, todos feridos com tiros disparados pela Guarda Nacional Bolivariana, em protestos na fronteira Brasil-Venezuela, pela entrada de ajuda humanitária na Venezuela, aguardam cirurgias há 6 meses.



Os indígenas assinaram na bandeira do Brasil, assinada pelo presidente Encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, que escreveu uma mensagem para os refugiados venezuelanos que estão no Brasil, os venezuelanos hospitalizados escreverão cartas que serão entregues pela Missão Ushuaia, aos deputados federais da CREDN (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional), em audiência pública.

Documentarista Dado Galvão, no centro o refugiado venezuelano Dubenson Eduardo Manzanilla, indígenas venezuelanos Pemones Taurepan Alberto Delgado, Evencio Sosa. 

A bandeira do Brasil retornará para Roraima, onde serão recolhidas cartas e assinaturas na bandeira, de refugiados venezuelanos que estão em situação de rua nas cidades de Boa Vista e Pacaraima. O trabalho de ativismo será realizado pelo refugiado venezuelano Dubenson Eduardo Manzanilla, que vive na capital roraimense.

 

agosto/2019

Jequié - Bahia: refugiados venezuelanos escrevem cartas para deputados federais da CREDN.

Refugiados venezuelanos acolhidos no interior baiano, Gabriel Salcedo, Nrelys Figueroa, Pedro Salcedo e a pequena Victória Maria, nascida em Jequié.

Os três refugiados venezuelanos acolhidos em Jequié, sudoeste baiano, pela Primeira Igreja Batista do Jequiezinho, escreveram no dia 1 de agosto, cartas e assinaram na bandeira do Brasil que contém uma mensagem do presidente Encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, para os refugiados venezuelanos que estão em território brasileiro. Cartas e a bandeira serão levadas pela Missão Ushuaia, para ser entregue aos deputados que compõem a CREDN (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados).

Na casa onde vivem mantida pela Igreja Batista do Jequiezinho, refugiados venezuelanos, assinam na bandeira do Brasil, que contém mensagem do presidente Encarregado da Venezuela, Juan Guaidó 

O Deputado Federal Leur Lomanto, que tem domicilio eleitoral em Jequié, é membro titular da CREDN, articula para que aconteça audiência pública na CREDN, com a presença dos membros da Missão Ushuaia.

A bandeira do Brasil será enviada para Roraima, onde serão recolhidas cartas e assinaturas na bandeira, de refugiados venezuelanos que estão em situação de rua nas cidades de Boa Vista e Pacaraima. O trabalho de ativismo será realizado pelo refugiado venezuelano Dubenson Eduardo Manzanilla, que vive na capital roraimense. 

Pedro Salcedo, refugiado venezuelano, vive em Jequié-BA, pai da pequena brasileira-venezuelana, Victória Maria.

agosto/2019   

Juan Guaidó e a imagem de Nossa Senhora Aparecida..


O padre Armando Rodrigues (Paróquia Santo Antônio de Pádua) em Los Teques, Venezuela, gravou entrevista para o documentário que está sendo preparado pela Missão Ushuaia, assinou na bandeira abaixo-assinado do Mercosul e benzeu uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, que foi levada pelo documentarista Dado Galvão, para presentear o presidente Encarregado da Venezuela, Juan Guaidó. A imagem e a bandeira do Mercosul, foram entregues para o presidente, dia dez de julho, Galvão estava acompanhado do jornalista venezuelanos Carlos Javier, membro da missão.

Guaidó, recebe a imagem de Nossa Senhora Aparecida, presente 
do documentarista Dado Galvão.

agosto de 2019